Jornada Arquetípica: as 22 Estações e as Mensagens de cada Arquétipo para você (PARTE 1)



Como você está nesse momento? Por essa você não esperava, ter que enfrentar uma epidemia global. Um dia você imaginou que algo invisível e tão pequeno como um vírus pudesse causar tanto impacto em sua vida?


A pandemia pelo Coronavírus é como um fantasma, que assombra a todos em maior ou menor grau, porque ela traz consigo múltiplas consequências e desdobramentos. Que desdobramentos são esses? Por exemplo, se você está em casa cumprindo a quarentena, talvez sinta a perda da liberdade e a mudança forçada de seus hábitos.


Se você tem que continuar trabalhando porque a sua atividade profissional é considerada essencial, fica mais exposto(a) ao perigo e talvez esteja com medo de se contaminar e prejudicar a sua saúde e a de sua família.


Se você não tem independência financeira, precisa trabalhar para se manter. Se não tem uma renda garantida, ou trabalha como autônomo(a), talvez esteja muito preocupado(a) com a sua sobrevivência agora. Se você tem emprego fixo, pode ser que tenha que adaptar o seu trabalho para executá-lo de casa; e se isso não é possível, talvez esteja preocupado(a) em ser demitido.


Se você está em quarentena, talvez esteja passando por problemas de convívio com as pessoas dentro de casa. Talvez esteja se sentindo solitário(a), abandonado(a), com saudade das pessoas que não pode mais ver, tocar, abraçar, beijar…


Se você acompanha as notícias na mídia, ou nas redes sociais, talvez esteja confuso(a) com o excesso de informação sobre a pandemia, com as informações contraditórias e com as notícias falsas. Se você está com medo de perder o que construiu, de perder amigos, familiares, ou a própria vida, talvez esteja procurando culpados.


Talvez esteja arrependido(a) por não ter cuidado mais da saúde, por não ter vivido mais, amado mais. Se você está incerto(a) quanto ao futuro material, talvez esteja buscando resposta e apoio na vida espiritual.


Perceba: se existe algo em comum a todos nós, neste momento, é a sensação de vulnerabilidade e muitas dúvidas.


E se você tivesse a oportunidade de fazer uma jornada espiritual - agora mesmo - onde pudesse colocar as suas questões e receber orientações que lhe dessem mais recursos para ultrapassar esse momento difícil e vencer os desafios que a pandemia traz?


Se você aceita o meu convite, prepare-se para embarcar nessa jornada, agora.


Sente-se confortavelmente, relaxe, respire profundamente 3 vezes. Coloque toda a sua atenção no momento presente.




A Jornada pelas 22 Estações



A vida possui 22 estações, em cada uma delas será feita uma pergunta, que pode ser a sua dúvida também. E receberemos a mensagem de um arquétipo, nos orientando como extrair o melhor dessa situação.


Vamos iniciar, então?


Estamos dando os primeiros passos em uma trilha de grande beleza. Vamos percorrendo tranquilamente o caminho até avistar a Estação 0 (zero), cujo guardião é o arquétipo do Puro.


Faço uma pergunta a ele: “Estou confinado em casa e me incomoda perder a liberdade de ir e vir. Como faço para me sentir melhor?”


O Puro responde: “A verdadeira liberdade está dentro de você. Se não pode caminhar para fora, caminhe para dentro de si. No seu mundo interior, através do poder da imaginação, você pode ir onde quiser, pode ser, fazer e ter o que quiser. Essa liberdade não pode ser roubada por nada ou ninguém.


Perceba o lado positivo de poder estar em casa, de ter tempo para rever os seus hábitos enquantos eles sim podem estar lhe aprisionando. Você criou necessidades demais e isso pesa em seus ombros agora. Procure, aos poucos, se desfazer do fardo que criou e viver apenas com o essêncial.


Seja leve, seja simples, assim você pode ir mais longe e mais rápido. Dentro em breve poderá sair de casa e o lado de fora terá um novo colorido para você. Nunca perca o seu otimismo e a sua fé na vida, por pior que pareça uma situação.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada. Caminhamos na trilha até chegar na Estação 1 (um), cujo guardião é o arquétipo do Mago.


Faço então uma pergunta a ele: “Estou preocupado em perder o meu emprego, o meu negócio, a minha fonte de renda. O que eu posso fazer para contornar essa situação?”


O Mago responde: “Use a sua imaginação, trabalhe a sua criatividade. Você tem a capacidade de acessar qualquer ideia vinda do campo da Consciência e usá-la para inovar a forma como faz o seu trabalho, como ganha dinheiro, para criar novos produtos e serviços que terão maior demanda neste tempo de pandemia.


Para isso, acalme sua mente, peça por inspiração e se pergunte o que as pessoas estão querendo, do que elas necessitam agora na crise. A necessidade cria oportunidades de produzir, vender e servir às pessoas. De transformar o mundo. Então, dê o primeiro passo em direção ao seu projeto, sem perfeccionismo.


Seja proativo(a), não espere as condições perfeitas e coloque o seu plano em ação. Comunique-se com as pessoas através das palavras e do coração, seja para vender, negociar prazos, angariar fundos, doações, engajar pessoas.


Ative seu poder pessoal para vencer esse desafio.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada. Caminhando pela trilha, chegamos na Estação 2 (dois), cujo guardião é o arquétipo da Sacerdotisa.


Eu faço uma pergunta a ela: “Existe informação demais sendo passada sobre a pandemia. Já não sei mais o que é verdade ou mentira, qual caminho devo seguir?”


A Sacerdotisa responde: “Sempre que você se sentir em dúvida sobre alguma informação ou sobre qual caminho seguir, procure acalmar a mente através da prática da meditação. Sente-se e, de olhos fechados, permita que o fluxo de pensamentos, julgamentos diminua em sua mente.


Peça então à sua Essência que lhe oriente através da sua voz interior. Sua Essência está totalmente conectada com a Inteligência da fonte, do Todo. Por isso, tenha uma visão mais ampla sobre o que é melhor para você naquele momento. Não despreze a razão, mas procure sempre ouvir a sua intuição.


Dê uma chance a ela, esse é o elo que une você ao divino. Quando ela lhe apontar o caminho certo, você sentirá uma vibração de alegria no coração - essa é a linguagem da sabedoria universal que existe em você, além da mente pensante.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada. Caminhamos um pouco mais pela trilha até chegar na Estação 3 (três), cujo guardião é o arquétipo da Mãe.


Eu faço uma pergunta: “Estou cumprindo a quarentena, mas ficar em casa - em tempo integral - interagindo com as outras pessoas o tempo todo está causando conflitos. Como resolver esse problema?”


A Mãe responde: “Esse é o momento exato para você expressar o seu amor incondicional, o amor que o Todo é e que manifesta por cada criatura, por cada átomo da criação. Uma maneira de expressar esse amor é ajudando. Ajude as pessoas, começando pelo os que moram com você, perceba as suas necessidades e ofereça a sua ajuda.


Cuide de todos, pacientemente, mas sem descuidar de si. Não esqueça dos que estão longe, ofereça a sua atenção através de mensagens de carinho. É hora de lapidar as arestas e nutrir as relações, procure a harmonia com todos - esse movimento deve partir de você.


Pratique a generosidade, a vida vai lhe retribuir em dobro.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada, até chegar na Estação 4 (quatro), cujo guardião é o arquétipo do Líder.


Eu faço uma pergunta a ele: “Como posso obter ajuda das pessoas nos afazeres de casa ou mais engajamento dos meus colaboradores no negócio, em uma época tão delicada como essa?”


O Líder responde: “Você pode obter a ajuda que necessita através da liderança consciente. Estimule as pessoas a mostrarem o que elas tem de melhor, permita que usem as suas habilidades, promova os seus talentos, motive os seus colaboradores a atingirem a excelência - mas não coloque pressão, cada um tem o seu tempo para florir.


Elogie de forma sincera quando perceber que estão acertando. Corrija e ensine pacientemente quando errarem. Ouça com atenção o que eles têm a dizer, ofereça apoio sempre, proteja quem está do seu lado - ter um aliado é um presente a ser conquistado e mantido por toda vida.


Sirva se quiser ser servido.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada. Caminhamos até chegar na Estação 5 (cinco), cujo guardião é o arquétipo do Mestre.


Eu pergunto a ele: “Percebi que nas redes sociais existe muito conflito entre as pessoas, agressões verbais e grande polarização. Tenho medo de colocar minha opinião e ser agredido. O que fazer?”


O Mestre responde: “Entenda que cada pessoa tem sua própria visão de mundo e se comporta conforme essa visão. Toda pessoa tem um lado luz e um lado sombra. Respeite a opinião do outro - se quiser ter a sua respeitada - e não entre em conflitos.


Toda agressão esconde o medo profundo que o agressor sente e que tenta transferir para a outra pessoa. Não acolha essa negatividade para si, procure não entrar nessa sintonia. Responder na mesma moeda perpetua a desarmonia.


Prefira o silêncio, mas, quando suas palavras forem necessárias, que sejam positivas. Para conseguir esse estado de não-reação, é preciso muita disciplina interior, pois a todo momento somos tentados a revidar.


Persevere acolhendo a sua luz e respeitando a sombra alheia. Abençoe a todos indistintamente. Seja o exemplo de autoridade espiritual que busca fora.”



Agradecemos pela mensagem e prosseguimos a jornada até chegar na Estação 6 (seis), cujo guardião é o arquétipo do Amante.


Eu pergunto a ele: “O medo de contrair essa doença me fez sentir culpado por não ter cuidado melhor da saúde, por não ter conseguido uma reserva financeira, por ter amado de menos. Como posso sair deste estado?”


O Amante responde: “Existe uma lei universal que diz: toda ação gera uma reação. Tanto a ação, quanto a omissão, desencadeiam respostas a curto, médio ou longo prazo. Você pode, sim, se responsabilizar pelas escolhas do passado, pelo que fez ou deixou de fazer. Isso denota grande maturidade de sua parte.


O importante aqui é entender que responsabilidade é diferente de culpa. Culpa é um sentimento de baixa vibração, assim como a vergonha também o é. E por vibrar baixo, a culpa lhe coloca em um estado denso, dificultando a mudança que você precisa iniciar para reverter a situação.


Saiba que você se comportou conforme seu estado de consciência naquele momento. Tenha autocompaixão, mas não auto-indulgência. É preciso mudar. Só há uma maneira de recuperar o ânimo e o entusiasmo: é aprender com o passado e fazer melhores escolhas daqui para frente.


Em todas as ocasiões, escolha o amor, em vez do medo. Isso vai operar milagres em sua vida.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada, até chegar na Estação 7 (sete), cujo guardião é o arquétipo do Herói.


Faço uma pergunta a ele: “Estou com medo do futuro. Como vou enfrentar essa situação se estou apavorado?”


O Herói responde: “Toda adversidade é capaz de dar vida ao herói que existe em você. Faça o que tem de ser feito, apesar do medo. O medo é uma armadilha que tenta lhe aprisionar.


Busque se conectar com a sua fortaleza interior. Você é mais forte do que imagina! Enfrente o problema com as armas que tem, busque inspiração em um mestre que você admira para vencer esse dragão. A vitória é certa, mas você precisa sair do esconderijo onde está e lutar por você, pelas pessoas que dependem da sua ajuda e da sua bravura.


Você está iniciando uma jornada em busca de si mesmo, dos tesouros tão bem guardados que esqueceu que os tem. Marche rumo ao desconhecido e vença essa batalha.


Você voltará vitorioso e trará consigo um dos maiores prêmios que um ser humano pode conquistar: a sua honra.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos nossa jornada. Caminhamos pela trilha até chegar na Estação 8 (oito), cujo guardião é o arquétipo do Justo.


Eu pergunto a ele: “Não acho justo que eu tenha que passar por isso. Onde está a Justiça Divina?”


O Justo responde: “Tudo o que nos acontece pode ser visto de muitas maneiras, mas, basicamente o ser humano julga que uma experiência é boa ou ruim - preto ou branco, certo ou errado.


Essa é uma visão limitada, que acontece quando não se tem todas as peças do jogo, quando não se consegue visualizar o quebra-cabeças todo montado. Toda experiência que vivemos é uma trama de múltiplos fios, que se enredam de tal forma que não se consegue achar o fio da meada com a consciência que se tem hoje.


Algum dia tudo fará sentido para você. Até lá, enxergue a situação como um desafio a ser vencido, como uma oportunidade que lhe é dada para se conhecer, para superar seus limites.


Essa nova percepção da vida, e de si mesmo, permitirá que viva o momento presente com a dignidade que só a lucidez pode propiciar. Tudo está sendo contabilizado do ponto de vista espiritual.


Não existem dois pesos e duas medidas na contabilidade cósmica.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada. Até chegar na Estação 9 (nove), cujo guardião é o arquétipo do Sábio.


Eu lanço a pergunta:”O que fazer com tanta informação que recebo todos os dias sobre a pandemia?”


O Sábio responde: “Use a razão e a intuição para selecionar as informações que tem valor para você. Procure organizar as informações selecionadas e estudá-las com atenção. Agora sim, você pode dizer que tem conhecimento sobre o assunto.


E esse conteúdo vai ser atualizado com o tempo, com novas informações que receberá. Isso é conhecimento, e conhecimento é poder - poder de fazer melhores escolhas, de não ser ludibriado.


Mas, conhecimento apenas, não é suficiente. Conhecimento, para ter valor, tem de ser colocado na prática. Valorize o conhecimento científico atual, mas não esqueça do conhecimento ancestral. Confie na sua luz interna, e no conhecimento que adquiriu durante a vida.


Use sua lucidez e sabedoria na prática.”



Agradecemos a mensagem e prosseguimos o caminho, até chegar na Estação 10 (dez), cujo guardião é o arquétipo do Afortunado.


Eu faço a seguinte pergunta a ele: “A sensação que tenho é que minha vida não vai voltar a ser o que era. Por que as coisas tem que mudar dessa forma?”


O Afortunado responde: “O Universo é um lugar onde impera a ordem, apesar de não parecer, às vezes. A mudança é necessária para manter a ordem e a vida. E como as pessoas resistem à mudar espontaneamente, porque tem medo do novo e para permanecer nas suas zonas de conforto, a Existência usa do artifício do Caos.


O Caos pode ser entendido como os eventos inesperados que abalam a estrutura conhecida, eles fazem com que entremos em movimento e possamos mudar. Não é preciso ter medo do Caos. É preciso sim, aprender a navegar atento por ele.


Aceitar que hora estamos em cima, ora embaixo; e depois, em cima novamente. Essa é a roda perpétua da vida.


Procure se antecipar aos Caos que certamente virá, cuidando com carinho de sua saúde, das finanças, dos relacionamentos e da sua mente. Assim, você terá mais facilidade de enfrentá-lo quando surgir.


Tudo passa, mas não espere que as coisas voltem ao normal, pois passado o Caos, você estará diferente, assim como a sua realidade. Aceitar a mudança é o primeiro passo para uma vida próspera em todas as áreas.”


Agradecemos a mensagem e prosseguimos a jornada...





Reflexão



A Jornada continua no próximo artigo! Não deixe de conferir e terminar conosco esse caminho que só começamos a trilhar...


Você já sabe qual é o arquétipo regente em sua vida? Tem vontade de descobrir? O Mapa Arquetípico® é um verdadeiro mapa que mostra o caminho para você viver da melhor forma o arquétipo que lhe rege.


Se quiser fazer seu Mapa Arquetípico®, acesse o link:

https://www.artetipos.com/euqueroomapaarquetipico


Se você apreciou a primeira parte da jornada, se ela lhe foi útil de alguma forma, peço que multiplique as bênçãos recebidas, compartilhando esse texto com o maior número de pessoas possível. Se cada um fizer a sua parte, sairemos fortalecidos dessa experiência.


E se deseja receber mais informações sobre esse tema, se inscreva para receber conteúdos em primeira mão.


Fique com minha gratidão e com o meu abraço fraterno.

Mabel C. Dias

0 visualização
  • Facebook
  • YouTube
  • Grey Instagram Ícone

© 2019 Artétipos - MABEL C. DIAS CONSULTORIA EPP - Todos os direitos reservados.

| Fale conosco - contato@artetipos.com | Tel: (11) 9.4240-0110