• Facebook
  • YouTube
  • Grey Instagram Ícone

© 2019 Artétipos - MABEL C. DIAS CONSULTORIA EPP - Todos os direitos reservados.

| Fale conosco - contato@artetipos.com | Tel: (11) 9.4240-0110

Hermes Trismegisto: o Hermetismo, a Alquimia e o Caibalion



Muitos já haviam pedido para que este assunto fosse tratado aqui, então decidimos trazer este artigo com diversas informações e curiosidades. Mas precisamos primeiro entender qual o significado e qual é a origem desse personagem histórico e mítico da humanidade.


Hermes Trismegisto foi um grande sábio e sacerdote egípcio, considerado por muitos como o criador do Hermetismo, da Alquimia e da Magia. Hermes é a representação grega do deus egípcio Toth, deus da sabedoria e da comunicação. Trimegisto é uma palavra de origem grega que significa “o três vezes grande".


Para falar de Hermes Trismegisto, precisamos entender que, primeiramente, esse personagem é uma junção do deus grego Hermes com o deus egípcio Toth. É um inspiração de ambos. É possível perceber, então, que a mitologia grega e a mitologia egípcia se entrelaçam muito.






Os símbolos em cada um dos deuses



No deus egípcio Toth, notamos a existência de uma simbologia e presença muito maiores, isso porque os egípcios eram muito mais intuitivos, utilizavam mais símbolos em sua comunicação que os gregos.


A representação egípcia é a primeira que se faz conhecida de Hermes Trismegisto. É possível observar uma cabeça de pássaro com um bico bem fino, um cajado em sua mão direita e uma cruz ansata em sua mão esquerda.


O bico fino significa a inteligência, ou seja, a capacidade de “colocar tal bico dentro de um formigueiro e escolher a formiga certa”, a capacidade de discernir. A palavra inteligência é originada do latim "interlegere", que significa escolher dentre.


A cruz ansata simboliza a vida eterna e a chave dos mistérios da vida, é um instrumento típico de um deus egípcio. Por último temos o cajado e Anúbis, que significa a luz em meio a escuridão.


A mitologia grega é uma adaptação mais racional da mitologia egípcia, pode-se assim dizer. Os gregos eram mais racionais e necessitavam de símbolos mais próximos de sua realidade para que assim pudessem entender, interpretar e se conectar com o significado dos deuses.


Na representação do deus grego Hermes, podemos observar que foi utilizada uma figura masculina humana que carrega asas nos pés e em seu capacete, sugerindo a velocidade e a comunicação, já que Hermes era o mensageiro dos deuses e o deus da Comunicação.


Na sua mão direita está o caduceu, um símbolo da união do corpo, da mente e do espírito, sugerindo a perfeita comunicação e equilíbrio interno. Uma curiosidade: muitas pessoas confundem o caduceu com o símbolo da medicina, que na verdade é o bastão de asclépio.


Hermes Trismegisto é um personagem mítico que também possui uma representação romana, o deus Mercúrio. Caso você se interesse e conheça um pouco de astrologia, talvez saiba que o planeta Mercúrio é o responsável por reger a comunicação, a inteligência e a sabedoria do indivíduo. Adivinha por que? Por causa de Hermes Trismegisto.






As duas principais Obras


O fato é que: Hermes Trismegisto foi um grande sábio e, se realmente existiu como ser humano, teria sido por volta de 5.000 a 2.000 a.C. O que se sabe sobre ele é que buscou explicar todo o funcionamento do Universo através de sete leis escritas em duas de suas obras, sendo elas:


  • Corpus Hermeticum;

  • A Tábua de Esmeralda: o mito da Tábua de Esmeralda é de que Hermes escreveu as leis, de forma bem resumida, em uma tábua feita de esmeralda com uma ponta de diamante.


OBS: Uma dica cultural muito interessante é o álbum de Jorge Ben Jor, "Hermes Trismegisto e a Tábua de Esmeralda". O link para o ouvir o álbum completo está aqui.


Hermes escreveu o que acreditou ser as Setes Leis que explicam o funcionamento de vida e do Universo, encontradas na tábua e no Corpus Hermeticum (caso você não saiba, "corpus" significa um conjunto de textos).






O Caibalion



O curioso é que essas leis existem há milhares de anos e só tivemos acesso à elas há pouco mais de 100 anos, quando foi publicado anonimamente - em 1918 - o livro "O Caibalion", sob o pseudônimo de "Três Iniciados". Nele podemos encontrar as Sete Leis Herméticas originais traduzidas, além de comentários sobre cada uma delas.


Esse é um conhecimento que ficou guardado por muito tempo, transmitido apenas de forma oral e para poucos. Isso porque acreditava-se que se tratava de um conhecimento extremamente poderoso, que só deveria ser transmitido para aqueles que realmente estivessem preparados para o receber.


Acreditava-se, também, que a melhor maneira de transmitir conteúdos tão profundos era de forma oral, pois era preciso vivenciar e sentir tais informações; escrever seria uma redução que acabaria limitando o potencial do conteúdo.


Outra informação muito interessante é que, a partir disso, o ser humano só começa a escrever quando sente o peso da memória. Surge então a necessidade de deixar gravado em algum lugar para não esquecer, sendo desenvolvido assim os escritos de Hermes.


Todo esse conhecimento, apesar de simples, não é para qualquer pessoa. O próprio livro começa com a seguinte frase: "Os lábios da sabedoria estão fechados, exceto aos ouvidos do entendimento". E realmente, não é para qualquer um.


É um conhecimento que precisa ser vivido, na prática, aplicado e - principalmente - utilizado para o bem. Platão disse: “É preferível a ignorância absoluta ao conhecimento em mãos inadequadas”.






A Alquimia


Se dá também à Hermes Trismegisto a autoria da Alquimia, a mãe de todas as ciências e que dizia transformar o chumbo em ouro (um símbolo do objetivo real da Alquimia, transformar o chumbo da ignorância no ouro da sabedoria).


Esse símbolo foi criado pelos alquimistas para fugir da Inquisição da Igreja Católica. Era extremamente subversivo transmitir sabedorias tão profundas, abrir os olhos das pessoas e transmitir conhecimentos que as libertasse das amarras dos dogmas da Igreja Católica. Fazer tal coisa resultava em morte na fogueira.


Mas transformar chumbo em ouro não gerava problemas. A ganância era algo extremamente aceitável pela Igreja, porque não ia contras as regras ideológicas da mesma. Por esse motivo, para transformar a ignorância em sabedoria era preciso que esse conhecimento fosse hermético, ou seja, fechado.


Você provavelmente já ouviu essa expressão, que - por exemplo - algo está hermeticamente fechado. Pois é, essa expressão vem de Hermes, porque seu conhecimento alquímico precisava ser hermeticamente fechado para que os alquimistas não fossem condenados e queimados vivos pela Igreja Católica.






Reflexão



Hermes também possui uma outra representação, dessa vez em um Arcano do Tarot. A carta do Mago, que simboliza a comunicação intrapessoal (sua consigo mesmo), interpessoal (sua com as outras pessoas) e divina (sua com seres superiores e inferiores).


Hermes Trismegisto, assim como o Mago do Tarot, representa uma ponte de conexão entre a vida terrena e o mundo espiritual, entre o sutil e o concreto. Ele é a entidade responsável pela comunicação e pela interpretação dos mistérios da vida.


Se quiser saber mais sobre o Mago, leia este artigo.


A arte da interpretação - muito utilizada pelo Direito, pela Letras, pela Psicanálise - é denominada como Hermenêutica, ou seja, também derivada de Hermes.


Uma ótima forma de se conhecer de maneira mais profunda e interpretar aquilo que está no fundo do seu ser - além de ter a oportunidade e trazer à tona o que acha ser necessário para o seu autoconhecimento e autodesenvolvimento - é através das Mandalas Pessoais.


Quer fazer a sua Mandala? Personalizada, criada especialmente para você conforme as suas necessidades.


Quero fazer minha Mandala!


É por conter tantas curiosidades e tanto conteúdo que esse tema foi escolhido para iniciar os estudos de mitologia e alquimia aqui no Artétipos.


Ficou interessado(a)? Se deseja receber mais informações sobre esse tema, se inscreva para receber conteúdos em primeira mão.


Abraços fraternos,

Lucca Ferronatto

911 visualizações