Existem Arquétipos Bons ou Arquétipos Ruins?



Existem arquétipos positivos ou arquétipos negativos?


Você pode se perguntar também: “Esta é uma explicação psicológica?”, “É uma interpretação junguiana?”


Não! Não somos psicólogos, não somos formados em psicologia e não pretendemos fazer uma interpretação junguiana - mesmo porque os arquétipos não são propriedades da Carl Jung, sequer foi ele quem os “inventou”.


Se formos pesquisar para tentar descobrir quem foi o descobridor dos arquétipos, chegaremos até Platão ou Plotino (filósofo neoplatonista). Essa, portanto, não é uma ideia original de Jung.


Ele se apropriou dela para conseguir explicar certos eventos psicológicos. Portanto, ao tratar sobre arquétipos aqui, não sob o ponto de vista psicológicos, mas sim sob o ponto de vista espiritual e simbólico da jornada da vida.


Baseado em uma visão tarológica, os arquétipos são positivos ou negativos? Existe essa divisão entre eles?





Arquétipo Bom X Arquétipo Mau


Não existem arquétipos ruins ou bons. Só existem arquétipos.


Os arquétipos são o que são, pois são atributos divinos. O Todo se manifesta, se fragmenta, em vários versos (em cada um de nós) e para organizar essa experiência de vida existem os arquétipos.


Eles estão sobre nós e, sendo atributos divinos e pertencendo ao que Platão chamou de o Mundo das Ideias, eles não podem ser bons ou ruins - isso é algo dual e do mundo das formas, do Mundo Manifesto.


Os arquétipos, por serem divinos, simplesmente são o que são. Nós, seres humanos, podemos utilizá-los para o bem ou para o mal. Quando dizemos que não existem arquétipos positivos ou negativos, muitos podem dizer que afirmamos não existir o bem e o mal.


É claro que o bem e o mal existem - o bem como tudo o que nos leva a caminhar em direção à evolução, à ascensão a um estado superior de consciência; o mal como tudo o que nos inferioriza, que densifica a nossa energia e nos leva à um patamar mais rígido.


Mas isso é algo puramente humano, é algo que pertence ao nosso mundo manifesto. Os arquétipos não estão manifestos e muitas pessoas confundem arquétipos com símbolos (códigos que carregam a energia de algum arquétipo).


O símbolo é a tentativa de representar um determinado arquétipo, ou mesmo mais de um arquétipo. Eles podem ser usados para o bem e para o mal pois estão manifestados em nossa realidade física, mas os arquétipos não estão.


Para ilustrar essa ideia para você, vamos observar essa comparação com os arcanos do Tarot (a base fundamental de nosso trabalho).


Existem alguns arcanos do Tarot que, ao saírem em uma tiragem, criam um medo enorme nas pessoas. Um exemplo é o “arcano da Morte”, o arcano sem nome; ou o arcano do Diabo, ou mesmo o arcano da Torre.


São cartas (que representam arquétipos, ideias primordiais) que, quando saem em uma tiragem, geram medo por achar que elas representam algo ruim. Mas não se trata de algo ruim.


No obra O Livro Completo sobre o Tarô, de Anthony Louis, conseguimos entender melhor a relação entre o Tarot e os arquétipos na seguinte passagem: “Todas as cartas do tarot são neutras, elas apenas apresentam imagens arquetípicas universais que fazem parte da experiência humana. A bondade ou a maldade das cartas dependem por completo do que decidimos fazer com a energia representada.”


Funciona da mesma maneira com os arquétipos. O "arquétipo bom" ou "ruim", a luz ou a sombra do arquétipo depende de como você irá experienciar esse arquétipo.


O arquétipo não carrega um aspecto-luz ou um aspecto-sombra consigo, nós é quem projetamos a nossa luz ou a nossa sombra nesse atributo divino. Cada coisa positiva na vida tem o seu lado sombrio, e vice-versa.


Anthony Louis ainda completa: “Uma faca nas mãos de um cirurgião pode salvar uma vida, mas a mesma faca nas mãos de um terrorista pode causar um caos.”


Arquétipos são, portanto, programas existenciais com o objetivo de organizar a experiência na matéria. Os arcanos do Tarot são as representações imagéticas desses arquétipos, por isso nos baseamos na perspectiva do Tarot.


Se você tiver curiosidade para saber quais são as 7 possíveis interpretações sobre o que são os arquétipos - ou seja, sete possíveis visões de mundo - deixarei um link para você ter acesso a um artigo completo.


Quero ler o artigo Explicando O Que São Arquétipos Através das 07 Principais Visões de Mundo





Reflexão



Somos livre-pensadores e utilizamos o sistema pictórico, ilógico, simbólico do Tarot para entender como essa nossa jornada na terra funciona. Para as pessoas questionadoras, as perguntas mais interessantes da vida são:


  • quem eu sou?

  • de onde eu vim?

  • para onde eu vou?

  • o que estou fazendo aqui?


O estudo do Tarot e dos arquétipos irá nos proporcionar não o entendimento, mas um mergulho na experiência do que é estar vivo. Um mergulho em experiência diversas que nos ajudarão a compor os pedaços de quem nós realmente somos.


O nosso trabalho é um trabalho metafísico, espiritual. A origem de tudo o que foi mostrado aqui é simbólica e universal.


Quer saber qual, ou quais, é/são o(s) arquétipo(s) que lhe regem? Quais são os aspectos-luz e os aspectos-sombra que você pode estar refletindo sobre ele(s)? O Mapa Arquetípico® é um verdadeiro mapa que mostra o caminho para você viver, da melhor forma, o arquétipo que lhe rege.



Se quiser fazer seu Mapa Arquetípico®, acesse o link:

https://www.artetipos.com/euqueroomapaarquetipico



E se deseja receber mais informações sobre esse tema, se inscreva para receber conteúdos em primeira mão.


Abraços fraternos,

Lucca Ferronatto

89 visualizações
  • Facebook
  • YouTube
  • Grey Instagram Ícone

© 2019 Artétipos - MABEL C. DIAS CONSULTORIA EPP - Todos os direitos reservados.

| Fale conosco - contato@artetipos.com | Tel: (11) 9.4240-0110