Alquimia: a Mãe da Ciência e da Magia



“Uma vez que você tenha experimentado voar, você andará pela terra com seus olhos voltados para céu, pois lá você esteve e para lá você desejará voltar.” - Leonardo da Vinci

Essa frase resume todo o conceito de alquimia que traremos para você aqui neste artigo. Esse é um tema de extrema importância, pois a alquimia é a mãe da ciência e da magia, do ocultismo.


Mas são coisas tão diferentes, né?! Como pode a ciência e a magia derivarem de um mesmo ponto em comum?


Pois é, esta é a alquimia.


Se ela for entendida e aplicada na vida prática, torna-se uma chave-mestra para o autoconhecimento, autodesenvolvimento e para atingir a iluminação espiritual e a plenitude.


Nesse artigo, pretendemos fazer um “apanhado” geral do que é a alquimia e qual a sua importância para a humanidade na criação da ciência moderna e na criação das escolas iniciáticas de magia.


Além de discutirmos um pouco mais sobre o que é a pedra filosofal, o elixir da longa vida, o processo de transmutação. Também traremos a relação entre a alquimia e a numerologia, com o tarot e - o principal - porque é tão importante esse conhecimento e como ele pode transformar cada uma de nossas vidas.


Mas antes de dar andamento, precisamos frisar que esse não é um conhecimento simples. É necessária muita abstração para entender o que será exposto aqui. E esse é um conhecimento hermético, fechado, que possui várias camadas de entendimento - e que só será entendido por quem precisa entender isso neste momento.





Contextualizando um pouco...


Existem muitas possíveis origens da alquimia, não dá para saber ao certo exatamente onde surge essa arte. E a primeira chave para o entendimento da alquimia é: a alquimia é, antes de tudo, uma arte.


Mas para isso ser compreendido, precisamos conhecer um pouco mais sobre a história da alquimia.


A alquimia se popularizou na Idade Média com a incessante busca dos ocultistas por transformar chumbo em ouro. Na verdade, o que eles buscavam era criar um solvente universal, uma substância tão poderosa que transformaria não só o chumbo, mas qualquer metal em ouro.


Essa substância é o que os alquimistas chamavam de pedra filosofal. Os alquimistas manipulavam elementos químicos (metais, minerais, líquidos) sempre buscando atingir esse mesmo objetivo - a transmutação da matéria em ouro.


Nesse ponto é onde encontramos a segunda chave para o entendimento da alquimia: a alquimia é a arte da transmutação, o maior objetivo é sempre atingir esse processo (a transformação de algo denso em algo sutil, belo e precioso).


Você pode estar se perguntando: “O que o objetivo da alquimia de transformar chumbo em ouro tem a ver com a minha vida prática?” A resposta é: TUDO! Tem tudo a ver. Ao entender a alquimia você irá se autoconhecer, autodesenvolver e entender todas as questões que estão ao seu redor, pois a alquimia é a base para a transformação do ser humano.


Durante a Inquisição realizada pela Igreja Católica, os alquimistas não eram considerados hereges, ou seja, não era crime ser alquimista. Os alquimistas que eram pegos pela Inquisição eram considerados charlatões.


Mas por que dessa informação ser relevante? Você se lembra da definição de alquimia um pouco mais acima?


Alquimia não é simplesmente transformar chumbo em ouro, é algo muito mais profundo do que isso. Alquimia é, antes de tudo, uma busca filosófica, uma jornada pessoal da sua alma. Transformar o chumbo da ignorância no ouro da sabedoria.


A transmutação seria, portanto, o processo de transformar tudo aquilo que é denso (um ser humano egóico) em algo mais sutil (um ser humano consciente, integrado, desperto, iluminado).


A pedra filosofal não possui a palavra “filosofal” à toa. A busca por esse solvente, por esse catalisador, que transforma tudo em ouro é - mais do que tudo - uma metáfora da busca pela consciência.


O que é o solvente universal que transforma tudo em ouro, em algo mais leve, sutil e integrado? É a consciência.


Eles tentaram, e muito, transformar chumbo em ouro e eles (como qualquer outro ser humano) precisavam de meios para sobreviver e prosperar na matéria. E naquela época, não havia problemas em fazer dinheiro/ouro, construir riquezas.


Mas, o grande problema era o autoconhecimento, ter consciência e não pertencer ao dogma. Isso sim fazia muitas pessoas serem queimadas vivas e, até hoje, ainda gera perseguição.


Antigamente, a Inquisição era realizada pela Igreja Católica. Hoje em dia é feita por outras instituições, outras estruturas de poder. Não pense que a Inquisição acabou. E saiba que esse conhecimento é um conhecimento subversivo.





A Transmutação do Ser Humano


A alquimia é, então, o processo de transformação (ou transmutação) da matéria. Os alquimistas perceberam que se eles poderiam transformar a matéria, juntar um elemento ao outro e criar um terceiro elemento, por que não fazer isso com o ser humano? Já que o ser humano também é matéria.


Dessa maneira, da alquimia surgiram todas as ciências modernas: a química, a biologia, a física, a medicina, a farmácia, os processos químicos...a alquimia era puro método científico, era experimentação.


Diz a história que, em 1669, o alemão Henning Brand começou a destilar urina pois acreditava que pelo fato da urina ser de coloração amarela, ela teria ouro em sua fórmula. Mas não há ouro na urina, ela contém - na verdade - fosfato (composto inflamável ao entrar em contato com carbono).


E o mais interessante é que: não, ele não encontrou ouro na urina, mas ele descobriu ou fósforo. Outra curiosidade é que a pólvora também é uma descoberta da alquimia (carvão +enxofre + salitre), assim como o Banho Maria, dentre diversos outros processos e elementos.


Experimentos químicos sempre foram feitos pelos alquimistas, transmutando matérias físicas e químicas. É possível observar que muitos elementos químicos e diversas propriedades que conhecemos nos dias atuais foram descobertos por alquimistas.


Nessa busca pela pedra filosofal, esbarrou-se pela busca do elixir da longa vida. E o que é esse elixir?


O elixir da longa vida é a incessante busca do ser humano pela vida eterna. E como a pedra filosofal é o consciência, qual é o único e possível elixir da longa vida? É a própria consciência.


Ela é a única ferramenta possível de nos garantir a vida eterna. Se a transmutação é o processo de transformação da matéria, é exatamente através da pedra filosofal e do elixir da longa vida (que são a consciência) que conseguiremos transformar a matéria em algo extrafísico. Ou seja, conseguiremos transformar a morte em vida.


Só a consciência é capaz de nos ascensionar - nos levar ao processo de ascensão.





As Relações da Alquimia com a Numerologia e com o Tarot



Para você entender o processo alquímico, é preciso entender que ela se baseia em quatro números - e aqui entramos na numerologia da alquimia na prática. O primeiro número é o 0 (zero).


O número 0 (zero) é um número divino, é a mandala, de onde tudo surge e para onde tudo vai. Ele simboliza o potencial, é o divino vazio, o nada - de onde tudo emerge (queira você chamar isso de vácuo, de deus, de acaso).


O segundo número é o 3 (três). Ele é a essência das coisas, é o número que representa a frutificação, o nascimento, a criação. Enquanto o número 1 (um) representa o masculino e o número 2 (dois) o feminino, o número 3 representa a criação a partir desses dois pólos.


OBS: Em todas as civilizações e correntes religiosas existe uma representação para o número 3.


Ele representa a transcendência da dualidade.


O terceiro número é o 4 (quatro), sendo ele essencial para a alquimia. Representa os quatro elementos: água, fogo, terra e ar; podendo ser manifestados através dos quatro naipes do tarot/baralho (respectivamente copas, paus, ouros, espadas). Também representa a estabilidade, a união.


Por último, o número 7 (sete). Ele representa a perfeição, a ação no mundo, quando despertamos o nosso herói interior e fazemos aquilo que viemos para fazer. Vemos muitas pessoas perdidas, que não o seu opus, ou seja, a sua obra.


Todos viemos ao mundo com uma missão. Será que estamos realizando tal missão de vida? Ou estamos vivendo em vão?


Esse número é também a representação do controle sobre a sua própria vida - o despertar da consciência - e a vida eterna. O processo de transmutação é o transformar a sua passagem por aqui em algo sutil, a consciência e vida eterna.


Ele diz que nada fica sempre igual, ou evolui ou degenera. O que você quer para você?


Temos quatro números e eles são a base para o entendimento da alquimia.


Uma curiosidade: ao somar estes quatro números, chegamos ao resultado de 14; e a carta 14 do baralho de tarot é a carta da Temperança e a que representa o alquimista no tarot - aqueles que manipula os elementos.


Para aqueles que fizeram o Mapa Arquetípico, a alquimia é representada pelo arquétipo do Mediador (entre a matéria e o espírito), aquele que busca o equilíbrio.


O tarot representa exatamente a jornada da alma, não é à toa que foi estudado por grandes psicólogos como Carl Gustav Jung. O tarot é, portanto, uma ferramenta alquímica e hermética.


Perceba que a primeira carta é a do Louco, o número 0 (zero), o vazio divino, aquilo com eterno potencial para crescer, a pureza. Ele representa cada um de nós. Se dividirmos as cartas restantes em três fileiras (representando corpo, mente e espírito), cada uma dessas fileiras terá sete cartas...e nada disso é uma coincidência.


Essa jornada narrada pelo tarot é uma jornada em espiral, passando por três fases - e tudo passa por três fases.


Já reparou que possuímos sete notas musicais? Ou que a semana tem sete dias? Ou que o arco-íris possui sete cores? Ou que existem sete pecados capitais? Ou sete Leis Herméticas? Há também sete processos alquímicos.


Quer saber mais sobre as 7 Leis Herméticas? É só clicar no link abaixo para ter acesso ao conteúdo completo.


Quero ler o artigo As 7 Leis Herméticas colocadas em Prática (Parte 1) e As 7 Leis Herméticas colocadas em Prática (Parte 2)





Os Sete Processos Alquímicos


Na alquimia há sete degraus, sete processos, para que seja possível transformar o chumbo em ouro.


Os processos são:


  • a calcinação;

  • a sublimação;

  • a solução;

  • a putrefação ou fermentação;

  • a separação ou destilação;

  • a coagulação;

  • e a união.


Ao final desses processos, você atingirá a pedra filosofal, o elixir da longa vida - ou seja, você atingirá a Iluminação e se tornará uma pessoa consciente.





Reflexão



Para que você entenda cada um desses processos, é necessário um grande grau de abstração e é preciso fazer um curso de alquimia. Se você tiver interesse em um curso de alquimia e quiser aprender cada um desses sete degraus com profundidade, e como cada um se encaixa em sua vida, se inscreva no canal de Telegram do Artétipos para que a gente saiba se há interessados e o número de interessados.


Entre em nosso Canal do Telegram: https://t.me/artetiposnews


Se quiser receber conteúdos de qualidade no conforto de seu celular e se tornar um #artetiposlover, participe de nosso grupo no Telegram. Participe desse grupo exclusivo, completamente gratuito e receba conteúdos em primeira mão.


Esse é um conteúdo muito denso...tratamos de numerologia, de tarot e como colocar tudo isso em prática, agora?


Você precisa estudar, trabalhar e ajudar. Entendendo esses três pontos, você já terá dado um salto de consciência. Você não pode somente entender, precisa aplicar o conhecimento que adquiriu aqui.


Seja um cético de mente aberta, não tome como verdade para a sua vida o que foi descrito aqui. Absorva o que você tem que absorver, nutra-se daquilo que lhe serve e construa a sua própria verdade.


Abraços fraternos,

Lucca Ferronatto

0 visualização
  • Facebook
  • YouTube
  • Grey Instagram Ícone

© 2019 Artétipos - MABEL C. DIAS CONSULTORIA EPP - Todos os direitos reservados.

| Fale conosco - contato@artetipos.com | Tel: (11) 9.4240-0110