4 Passos para Entender o Significado de Seus Sonhos



O que será que os sonhos significam?


Como nós podemos interpretá-los?


Será que todo mundo sonha? Por que existem pessoas que dizem não sonhar?


Por que os sonhos existem e como eles podem lhe ajudar a se conhecer melhor?


Todas essas questões serão respondidas nesse artigo. Mas antes de iniciá-lo, gostaria de dizer que tudo o que for explanado aqui é fruto de minha pesquisa pessoal e não há qualquer pretensão de ditar uma verdade absoluta o “cientifizar” o assunto.


É apenas minha interpretação e estudo sobre o tema. Respeito todas as outras, inclusive as que não concordam com o meu ponto de vista.


Sonhos são mistérios estudados pelos seres humanos, desde que o mundo é mundo, por meio de todas as áreas do conhecimento - seja pela arte, filosofia, magia, psicologia, religião…


Todas as bases do pensamento humano já mergulharam nesse poder que vem “de fábrica” em cada um de nós.


Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço, teve praticamente uma previsão da Primeira Guerra Mundial em sonho. O químico Dmitri Mendeleiev recebeu, também em sonho, a disposição dos elementos da Tabela Periódica. Os faraós do Antigo Egito chegavam a tomar decisões políticas com base em seus sonhos.


Inclusive, existe uma técnica chamada de Oniromancia que trata os sonhos como um oráculo - podendo realizar previsões, revelações e promover uma profunda compreensão da alma humana.


Nossa natureza é sonhar...e se isso acontece conosco, algum significado tem, concorda?!





O que é esse Fenômeno Onírico?


É preciso que fique claro que todo mundo sonha. O fato de algumas pessoas não lembrarem de seus sonhos não quer dizer que elas não sonham. Todos nós sonhamos cerca de 4 ou 5 sonhos por noite, que podem durar entre 5 e 20 minutos.


Os sonhos aparecem durante uma fase de nosso sono conhecida como REM (sigla em inglês que significa Rapid Eye Moviment). É um momento do sono de intensa atividade cerebral que se assemelha a de quando estamos acordados.


Todas as pessoas passam por essa fase do sono durante a noite.


O que acontece é que algumas delas não se lembram de seus sonhos e isso pode acontecer por diversos motivos, seja pelo uso de medicamentos, despertadores, falta de noradrenalina no corpo, cansaço intenso do dia a dia, estresse ou até mesmo por inconscientemente bloquear tal lembrança - seja por medo do que irá encontrar (ter pesadelos) ou mesmo alguma resistência interna.


Fique tranquilo(a). Se isso acontece com você, no final do artigo darei dicas interessantes que funcionam muito bem comigo para lembrar de meus sonhos e talvez funcionem contigo também.


Mesmo que consigamos lembrar de nossos sonhos, a maioria das pessoas lembram somente de 5% de um sonho. Normalmente, esquecemos de metade dele 5 minutos após acordarmos.


Por isso é de extrema importância que você anote seus sonhos assim que você abre seus olhos ao amanhecer.


O criador da psicanálise, Sigmund Freud, disse que os sonhos são uma maneira da nossa mente realizar nossos desejos reprimidos. Já Carl G. Jung, criador da psicologia analítica, diz que o sonho é uma ponte de conexão da minha mente consciente com o vasto mar do inconsciente (tanto o individual quanto o coletivo).


Segundo Jung, nossos sonhos são o mais fecundo campo de exploração para quem deseja desvendar os símbolos, arquétipos e o inconsciente humano. Se os sonhos são, então, uma ponte para o inconsciente, eles também são uma ponte para o verdadeiro autoconhecimento.


Outra interpretação interessante é a do espiritismo, que diz que os sonhos podem ser desdobramentos de nossa alma, um registro da viagem que sua alma fez durante a noite. Torna-se difícil de interpretar pois, ao regressar das projeções, o cérebro não consegue entender com exatidão o que aconteceu enquanto se esteve fora, criando assim uma memória ilógica.


Essas são algumas das interpretações existentes. Existem mais. E em cada uma delas é possível encontrar uma chave para quem sabe um dia entender o que os sonhos realmente são.


O fato é: eles são mensagens do nosso inconsciente para nós. São formas sutis de entrarmos em contato com os nossos conteúdos inconscientes. E se você se dedicar a isso, passar a observar, anotar e analisar seus sonhos com o passar do tempo, você se conhecerá muito melhor.


Sejam os sonhos premonições, expressões dos desejos, uma ponte de conexão com o inconsciente ou a representação de uma viagem da alma, aprender a interpretá-los amplia consideravelmente a nossa capacidade de entender a nossa própria mente.


Isso pode proporcionar uma vida muito mais repleta de significado e mais agradável de se viver.


Mas para que consigamos começar a debruçar sobre seus significados, precisamos compreender uma questão muito importante: os sonhos não são eventos lógicos, racionais. Eles são o total oposto disso.


Os sonhos são eventos alegóricos, são paralógicos - pois deformam a lógica, eles a transcendem.


Não adianta você tentar entender com a sua mente racional...você não chegará em lugar algum. Você precisa sentir com o coração, começar a desenvolver a sua capacidade interpretativa.


E a melhor ferramenta para isso é a arte.





A Funcionalidade da Arte e o Sonho como um Símbolo



O pintor surrealista Salvador Dalí pintou uma obra que representa essa ideia paralógica, simbólica do sonho - A Persistência da Memória.


Essa seria a perfeita representação de um sonho, no qual o tempo “se derrete” (ou seja, não existe temporalidade, não existe uma sequência linear de acontecimentos). Conseguimos reconhecer na obra o objeto relógio, porém ele não possui o seu formato e uso convencional o que nos gera desconforto e nos faz questionar o próprio objeto e sua função.


Ao tentarmos interpretar um sonho, não podemos observar os acontecimentos, personagens e figuras exatamente como são na realidade pois estaríamos nos afastando de seu real significado.


É o que acontece, por exemplo, quando você sonha com uma árvore e ao acordar corre para um dicionário de sonhos pesquisar o significado de tal árvore. Quando você age dessa maneira, você “mata” o seu sonho.


Não necessariamente a árvore que você sonhou significará a mesma coisa caso eu sonhe com uma árvore - pois esse não é um sistema lógico.


Quando você limita o significado de um símbolo de seu sonho em uma interpretação universal, você acaba com aquele significado extremamente particular dentro de seu sonho em específico.


Um ponto interessante que Jung traz em seu livro O Homem e Seus Símbolos é que ele procura, ao máximo, não retirar nada do contexto de dentro de um sonho. O sonho em si, como um todo, é um grande símbolo.


Ainda na pintura, bem no centro, há quase que um autorretrato do pintor completamente desfigurado dormindo debaixo de um relógio derretido. Isso mostra que o que ele pintou é um sonho, é uma imagem do inconsciente dele.


Enfim, existem diversas outras interpretações para essa obra e não me aprofundarei nela hoje. O objetivo ao trazê-la aqui é mostrar que se você quer interpretar um sonho, você precisa entender que a mensagem dele é muito mais inconsciente do que consciente, é muito mais alegórica e simbólica do que racional.


Para interpretar um sonho, você precisa - de certa forma - romper com a realidade e mergulhar no sentimento, na arte.


O próprio Dalí ressalta isso ao dizer: “O fato de eu mesmo, no momento da pintura, não compreender minhas próprias imagens, não significa que essas imagens não tenham sentido; pelo contrário, seu significado é tão profundo, complexo, coerente e involuntário que escapa à análise mais simples da lógica”.


Como então você pode começar a interpretar seus próprios sonhos?





Passo a Passo para Interpretação


Esses passos são o que funcionaram para mim e acredito que possam funcionar contigo também.


São técnicas simples, mas que podem lhe ajudar muito na hora de compreender as mensagens de seu inconsciente.


O primeiro passo é: todas as noites, antes de dormir, faça um breve relaxamento e diga a si mesmo(a) que você deseja se lembrar de seus sonhos assim que você acordar. Repita diversas vezes para si. Isso irá enviar uma mensagem para o seu inconsciente e, mesmo que demore alguns dias, as chances são de que você passe a se lembrar de seus sonhos aos poucos.


O segundo passo é: tenha um caderno do lado de sua cama, no qual você possa anotar seus sonhos logo que abrir seus olhos. Como eu relatei acima, temos a tendência de esquecer de metade de nossos sonhos 5 minutos após acordarmos.


Anotar seus sonhos é a prática mais importante no processo interpretativo por dois motivos. O primeiro é que você exercita a tua capacidade de memória. O segundo é que, talvez, um único sonho seja confuso o suficiente para você não entender absolutamente nada; mas se anotou diversos sonhos, você começará a perceber entre eles uma narrativa que diz muito sobre você.


Segundo o pesquisador americano William Domhoff, a comparação de 75 a 100 sonhos de uma pessoa pode trazer um retrato psicológico muito amplo dela. E a análise de cerca de 1.000 sonhos ao longo da vida pode mostrar um perfil completo da pessoa, quase tão individualizado e preciso quanto suas impressões digitais.


O terceiro passo é: volte em suas anotações sempre que puder e leia sobre os sonhos que você já anotou. Com essa prática, você começará a perceber padrões sobre si mesmo(a), como por exemplo se você tem pesadelos muito recorrentes e os analisar em conjunto, poderá encontrar a raiz em algum trauma que você viveu.


Anote junto de seus sonhos quais as emoções você despertou ao viver aquele sonho - alegria, medo, ansiedade, raiva, amor...isso irá lhe ajudar na interpretação pois ampliará seu autoconhecimento.


O quarto e último passo é: ao invés de procurar significados em dicionários para os símbolos que aparecem para você dentro de seus sonhos, tente se perguntar o que esse símbolo significa para você. Cada ser humano tem uma experiência única em relação aos símbolos e arquétipos.


Os símbolos e arquétipos em nosso inconsciente são coletivos, mas a experiência de cada um é única. Cada pessoa tem a sua própria maneira - muito particular - de interpretar e criar significados para eles.


Isso é tarefa de cada um que pode, no máximo, ser compartilhada com seu terapeuta (caso você tenha um).





Reflexão



Escreva seus sonhos em um caderno, faça a sua própria viagem de exploração interna. Autoconhecimento é um processo demorado, muitas vezes doloroso e que não possui atalhos.


Mas se você decidir mergulhar de cabeça, com certeza terá resultados - uma vida repleta de significado e feliz.


A única saída para os problemas do mundo é cada ser humano olhar para dentro de si. Portanto, bons sonhos!


Para lhe ajudar a se compreender com maior profundidade e intensidade, você pode realizar o Mapa Arquetípico®, um verdadeiro mapa que mostra o caminho para você viver, da melhor forma, o arquétipo que lhe rege.


Além de lhe mostrar os arquétipos de podem ser trabalhados de uma forma melhor, a luz e a sombra que você está projetando sobre o arquétipo, dentre diversas outras informações.



Se quiser fazer seu Mapa Arquetípico®, acesse o link:

https://www.artetipos.com/euqueroomapaarquetipico



E se deseja receber mais informações sobre esse tema, se inscreva para receber conteúdos em primeira mão.


Abraços fraternos,

Lucca Ferronatto

  • Preto Ícone YouTube
  • Black Instagram Icon
  • Black Facebook Icon

© 2019 Artétipos - MABEL C. DIAS CONSULTORIA EPP - Todos os direitos reservados.

Fale conosco - contato@artetipos.com